Fernando Veloso - Site Oficial do blogger Google SEO & Marketing Digital

FERNANDO VELOSO

GOOGLE SEO & MARKETING DIGITAL

BLOGGER, FUNDADOR DA SANTA IDEIA @ SANTARÉM, PORTUGAL

Fernando Veloso - Google SEO & Marketing Digital


Posicionamento nos motores de busca – Ou simplesmente “aparecer mais acima nos resultados do Google”

Uma das questões que mais tenho debatido com colegas, amigos e clientes, é a questão do posicionamento dos sites das empresas nos motores de busca.

Os clientes desejam aparecer mais acima quando alguém pesquisa pelo seu ramo de negócio. Nada mais elementar quando se gere uma empresa.

E até é de louvar que os empresários já comecem a tentar perceber este jogo da Optimização para os Motores de Busca.

O problema surge quando se explica a alguém que, para manter um bom posicionamento nos rankings exige-se um trabalho continuado, semana após semana, mês após mês.

Modo geral, os empresários portugueses pensam que basta desenvolver um site “barato” e que isso os vai colocar nos olhos do mundo, trazer rendimentos fantásticos. Se puder ser o filho do amigo ou o sobrinho a fazer esse site por 300 euros, melhor.

Mas a verdade é que dentro do espectro do posicionamento dos sites das empresas nos motores de busca existe a parte técnica da optimização, o comum SEO, e depois existe o posicionamento “dentro do mercado” – mas este segundo tema vai ficar para o artigo seguinte.

Agora, dentro da parte técnica do SEO – Optimização para os Motores de Busca, convém explicar que NADA acontece por acaso.

As maiores companhias mundiais investem milhões de euros para consolidar os seus rankings de topo, dia após dia.

Um exemplo prático:

Empresa X, vende artigos para piscinas.

Se aquando das pesquisas por “material para tratar água piscina”, “manutenção de piscinas”, etc etc, essa empresa aparecer na página 3, 4 ou ainda mais fundo nos rankings, é certo que não vai obter clientes através da internet.

Agora imagine a empresa K.

Aquando das mesmas pesquisas, esta empresa aparece no top 10, no top 5. Esta empresa vai fazer vendas, vai angariar clientes. Vai conquistar espaço no mercado. Vai marcar a sua posição. Vai ter mais lucros que a sua concorrência.

Simples, correcto?

Nos mercados mais competitivos, a relação entre bons rankings e o trabalho de posicionamento nos motores de busca é estreita e mais habitual que aquilo que o comum empresário nacional imagina.

Nos mercados mais competitivos, aparecer no top 10 pelas palavras-chave mais importantes desse ramo equivale a milhares de euros em vendas.

Aparecer na página 4, equivale a dizer que não vende nada.

É a verdade nua e crua.

Vejo isso acontecer desde 2004.

Por isso mesmo é que existem empresas dedicadas exclusivamente ao serviço de SEO – Optimização para os Motores de Busca.

São empresas que actuam nesta área à muitos anos, que sabem o que fazem e que proporcionam mais lucros aos seus clientes.

São estas empresas que dedicam o seu know how, a sua experiência, o seu trabalho diário, para fazer subir os rankings dos seus clientes.

Se é um trabalho bem pago, caro porventura?

Claro que é.

Mas para quem deseja ocupar o top por temas tão caros como o ramo imobiliário, créditos ou viagens, (só para citar uma ínfima parte de mercados onde se ganha muito dinheiro) este investimento vale cada cêntimo pago mês após mês.

Eu sei, através do meu dia a dia de contacto com pequenas e médias empresas, que o empresário comum prefere não gastar dinheiro e pedir ao amigo, ao sobrinho ou até entregar o trabalho a uma empresa que leve mais barato – embora possa não saber o que faz, provocando mais males que benefícios.

Mas é este mesmo empresário que, quando perceber que o amigo ou familiar não pesca nada de SEO, posicionamento, rankings, copywriting ou link building, vai dizer que a internet é uma mentira, que não é possível ganhar dinheiro através dela, que é tudo um embuste para lhe ficar com o dinheiro.

E é esse mesmo empresário que vai acabar por fechar a loja nos próximos anos, pois a tendência do mercado é inevitável, e não passa nem pelos jornais, nem pelas revistas, nem pelas páginas amarelas:

O futuro das empresas passa exclusivamente pela internet e pelos resultados de topo nos rankings.